Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Julho de 2013, mais uma Ecopista.

Desta vez rumei a Amarante para percorrer a Ecopista do Tâmega, parte da antiga linha férrea que liga Amarante a Arco de Baúlhe.

 

Aceda aos Track point GPS aqui

 

Para plataformas móveis ou ecrã inteiro clique aqui


Percurso Ciclístico

79 km ida e volta

4,5 horas de pedalada efectiva

 

A antiga linha férrea que percorria o Rio Tâmega, é mais um bom exemplo da conversão de degradadas linhas férreas em equipamentos de lazer.

O centro nevrálgico desta ecopista situa-se em Celorico de Basto. Existe um espaço Museológico com uma antiga carruagem, albergue, centro de informações, ponto de água e wc. Salienta-se que as obras de recuperação desta antiga estação estão irrepreensíveis, um regalo para os olhos.

Aqui considera-se o km 0, num extremo situa-se Arco de Baúlhe (também com um núcleo museológico) ao km +17 e Amarante no outro ao km -22, no entanto comecei em Amarante porque é mais perto do Porto.

No início o piso apresenta-se regular e de cor amarela, seguido pela malha urbana mas com um ambiente rural mesmo ali ao lado, muito bonito sem dúvida. Com uma inclinação ligeiramente ascendente é de fácil progressão, mas as barreiras de segurança logo começam a dar um ar da sua graça.

Embora sejam muito mais fáceis de contornar do que as existentes na ecopista do Dão ou Sabor, são em grande número, aliás, em cada estradão corta-fogo ou carreiro mesmo o meio do nada, existe sempre uma barreira, o que é muito desagradável. Não me lembro de uma única reta longa sem uma interrupção, em contrapartida existem (poucos) cruzamentos com estradas sem as barreiras ou avisos de qualquer tipo.

Entendo que as barreiras são um mal necessário para nossa própria segurança, mas penso que existe aqui excesso de zelo por um lado e falhas em locais importantes para norte de Mondim de Basto pelo outro.

Seguindo viagem entramos no Túnel de Gatão, único nesta ecopista. Aparece ao km 17 e todo iluminado é muito agradável.

Ao km 12 depois duma ponte passamos à terra batida durante 5,5km. No momento em que escrevo estas linhas a circulação é muito suave e pelo menos aqui não existem as barreiras no cruzamentos com os corta-fogo. A paisagem também é muito bonita entre a área florestal com o rio bem lá ao fundo, a desvantagem é o pó. Com chuva e com o passar do tempo deverá piorar.

Depois entramos novamente no piso artificial desta vez de cor vermelho claro, que se mantem praticamente até ao fim visto que muda ligeiramente nos últimos kms.

Não sendo perito na matéria e embora possa estar enganado, penso que não é alcatrão e sim um composto de betão. Mas independentemente do material usado, sente-se uma desconfortável ondulação saltitante no piso. Desconheço a razão para a adoção deste material, se foi benéfico para o construtor ou para as autarquias em termos de custos, para os ciclistas é desagradável.

No entanto as paisagens são muito bonitas, com o meio rural, florestal e o Monte da Sra. da Graça quase sempre presente.

Algumas pontes proporcionam-nos belos momentos com o rio em pano de fundo. A cereja no topo do bolo é ao km 5 onde o rio faz um U com o Monte da Sra. da Graça à esquerda, e à direita o Agua Hotel à espreita no topo da colina em Mondim de Basto.

Quanto às estações, algumas estão recuperadas outras ainda em restauro e algumas até habitadas.

Destacam-se as estações de Celorico de Basto, irrepreensível, a de Mondim de Basto em recuperação com um fantástico miradouro sobre a vila e sobre o Monte da Sra. da Graça, e a de Arco de Baulhe em fim de linha, lindíssima, muito bem restaurada, com uma envolvência fantástica tendo até mesas para piqueniques.

O declive é suave, alternado e não apresenta dificuldade, no entanto, o acumulado é de +-1500m, não é propriamente plano.

 

Mais um percurso excelente para a prática de cicloturismo ou caminhada, com paisagens muito bonitas, antigas estações bem recuperadas, barreiras de segurança mais largas que o comum e algumas informações sobre serviços de socorro.

As desvantagens são as barreiras em excesso, a falta das mesmas em alguns pontos essenciais, o piso algo saltitante e o troço em terra batida.

 

Essencial? Obviamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:08


9 comentários

De Tony S o Cister Monge a 08.02.2014 às 22:28

parabéns pelo passeio e pelo relato. eu fiz esse trajeto em Agosto de 2013 e é decfto maravilhoso.
fica aqui o link desse dia.

http://www.cistermongetonys.blogspot.pt/2013/09/periplo-pelas-antigas-vias-ferreas-do.html

um abraço

De Martins a 25.06.2014 às 01:31

Muito proveitoso o post e indicações!
Tinha uma questão a fazer se souber me responder!
se eu não levar minha bicicleta, há algum posto no início do percurso que possa-se
alugar bicicletas?

Obrigada,
Martins

De Vales Errantes a 25.06.2014 às 10:25

Bom dia.
Obrigado por visitar o Blog.
Penso que no núcleo interpretativo de Celorico de Basto poderá alugar bicicletas.
Cumprimentos,
Anselmo Cardal.

De Sara Teresa Vieira a 26.06.2014 às 15:06

Boa tarde,

Gostaria que me dessem uma opinião, creio que me podem ajudar.
Na ecopista do tamega, qual a melhor zona em termos paisagísticos e para pedalar? Amarante, Celorico ou Cabeceiras?

Aguardo resposta,

Cumprimentos,
Sara

De Vales Errantes a 26.06.2014 às 21:57

Olá Sara.
Na minha opinião e se não pretende realizar toda a ecopista , começava em Celorico e andava 5 km para sul (na direcção de Amarante) voltava a trás passando novamente por Celorico e iria pelo menos até Mondim.
Cumprimentos,
Anselmo Cardal

De Sara Teresa Vieira a 27.06.2014 às 11:59

Obrigada pela resposta Anselmo.
E já agora obrigada pelo post, não se encontra muitas informações sobre esta ecopista por aí.

Cumprimentos,
Sara

De Carlos a 07.07.2014 às 12:08

Boas,

Obrigado pela descrição.
Só tenho uma dúvida: dá para fazer de bicicleta de estrada? ou tenho de arranjar bicicleta de montanha?

Obrigado,

Carlos

De Vales Errantes a 07.07.2014 às 22:10

Olá Carlos. Obrigado por visitar o blog.
Toda a secção pavimentada a cimento faz-se perfeitamente numa bicicleta de estrada.
A parte de terra batida (troço de 5km ), na altura tinha o piso muito liso e suave (ver fotos).
O que lhe recomendo, se pretender utilizar a sua bicicleta, é iniciar a viagem em Celorico de Basto e seguir na direcção de Amarante até depois do apeadeiro de Lourido (onde começa a terra batida) e ver se é transitável. De Celorico a Lourido são cerca de 5 km.
Se não puder seguir em frente, pode voltar para trás e ir até Arco de baúlhe e depois regressar a Celorico. Desta forma percorre cerca de 45 km.
Se vir as 2 primeiras fotos, que representam o mapa oficial, existe uma parte marcada a branco e cinza que sinaliza o percurso em terra.
Penso também que pode alugar bicicletas na estação em Celorico de Basto.
Cumprimentos,
Anselmo Cardal.

De Amélie a 30.06.2016 às 09:39

Moitísimas grazas por compartir infromación e imaxes. Fai dous anos fixen Viseu-Dao e quedeime con ganas de máis. É un auténtico pracer percorrer as ecopistas que nos ofrece Portugal.
Un saúdo.

Comentar post





Lista de todas as actividades

Percursos Pedestres

Em Bicicleta

Outras Actividades e Locais



Siga-nos na rede social


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Carris Cópia de DSC04873 Covão da Ametade DSC06715 Prado do Mourô/VidoalDSC07099 Sombrosas DSC08749 Vale do Rio Homem valeserrantes Poço Azul valeserrantes Ecopista do Dão valeserrantes

Cascata do Arado valeserrantes

Visitantes